terça-feira, 5 de fevereiro de 2019

Mulher com deficiência mental espera há quase duas semanas por remédio em Santos

Paciente toma seis caixas por mês de um remédio que não está disponível no AME da cidade

O remédio que a paciente precisa tomar não está disponível na farmácia do AME de Santos há quase duas semanas | Foto: G1 Santos

Uma paciente portadora de deficiência mental está há quase duas semanas sem receber a medicação do Ambulatório Médico de Especialidades (AME) de Santos, no litoral de São Paulo.

A irmã da paciente conversou com o G1 e não quis se identificar. Segundo ela, o medicamento estava marcado para ser retirado no dia 10, mas por conta de um imprevisto, mudou a data para o dia 18. Quando chegou ao AME da cidade, localizado na Rua Alexandre Martins, no bairro da Aparecida, não conseguiu retirar o medicamento.

“Minha irmã usa seis caixas desse remédio por mês. É algo essencial na rotina dela. Disseram que não havia previsão de quando esse medicamento ia chegar e que quando eu fiz o agendamento tinha, mas agora não tem mais”, lamenta a moça, que diz já não saber mais o que fazer.

Além disso, ela conta que tentou fazer uma reclamação, ligando para o AME de Santos, mas ficou mais de uma hora na linha, sem conseguir uma solução.

“Isso tudo é uma falta de respeito. Eu avisei que não ia conseguir pegar o remédio no dia certo. Não sei como organizam o estoque deles, mas muita gente vai lá pegar medicação. Agora estou tendo que pagar R$ 150 para poder ajudar a minha irmã. Mas imagina quem não tem condições?”.

O G1 entrou em contato com a Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo que, por meio de nota, informou que medidas já estão sendo tomadas para solucionar o problema da paciente em questão e de outros que estão passando pela mesma situação.

“Os medicamentos estão sendo redistribuídos nas regiões e as farmácias estarão reabastecidas até a próxima semana. A pasta dialogará com a nova gestão federal visando à solução do problema para não prejudicar o tratamento dos pacientes”.

Por: Gustavo Garcez | Fonte: G1