terça-feira, 29 de janeiro de 2019

Pacientes sofrem com falta de remédios e problemas no hospital do Ipsemg

O Conselho Municipal de Saúde debateu a situação na última quarta-feira, 23 de janeiro


O Conselho Municipal de Saúde de Belo Horizonte se reuniu em 23 de janeiro para discutir a situação do hospital do Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais (Ipsemg). Sucateado e sem repasse de verbas por parte do governo, muitos tratamentos estão comprometidos. Pacientes que dependem do fornecimento de medicamentos pela farmácia do estado também participaram da reunião. Alguns estão há meses sem os remédios.

O MG2 vem mostrando o drama de pacientes que dependem destes remédios que o Sistema Único de Saúde (SUS) deveria fornecer e estão constantemente em falta. Hoje a farmácia do estado está sem nove medicamentos considerados estratégicos e 62 especializados. Eles são todos de alto custo e essenciais para tratamentos de grande complexidade. Nem ordem judicial tem sido garantia de acesso.

O Conselho Municipal de Saúde disse que convidou o governo do estado, mas nenhum representante apareceu. A entidade também discutiu o sucateamento do Ipsemg. O valor, que segundo o sindicato, é descontado da folha de pagamento de cada servidor todo mês, não vem sendo repassado. O governo não deu uma previsão de quando vai botar tudo em dia.

Em nota, o novo governo afirmou que está fazendo uma análise da situação da saúde em Minas Gerais e que já constatou o problema do desabastecimento de medicamentos essenciais. O estado disse ainda que algumas ações estão sendo adotadas para regularizar a situação, mas não explicou quais.

Sobre o Ipsemg, o governo informou que já verificou as pendências financeiras e, neste momento, estão sendo avaliadas todas as possibilidades de solução para o problema, garantindo a continuidade do atendimento em toda a rede.

Por: MG1 | Fonte: G1