quinta-feira, 10 de janeiro de 2019

Pacientes de MS são afetados por desabastecimento de remédio para esclerose múltipla

Ministério da Saúde promete regularizar distribuição até o fim da semana


Pacientes de Mato Grosso do Sul, que fazem tratamento para esclerose múltipla, estão sofrendo com o desabastecimento nacional do medicamento Fingolimode. Em Campo Grande, pacientes que foram até à Farmácia Escola da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), que possui termo de cooperação com a SES (Secretaria Estadual de Saúde), não encontraram o medicamento disponível.

Uma leitora do Jornal Midiamax relatou que, segundo informações da Farmácia Escola, a falta do medicamento aconteceu problemas na licitação e a medicação não tem previsão de chegada. “A farmacêutica aconselhou ligar lá no final da primeira quinzena de janeiro para saber se foi restabelecido a entrega do medicamento”, diz.

Ainda segundo a paciente, a falta do medicamento pode acarretar problemas no desenrolar do tratamento. “O remédio é de extrema importância para o tratamento de uma doença crônica. A falta do uso da medicação pode acarretar na quebra do tratamento dos pacientes, levando à estaca zero”, comenta.

O medicamento para o tratamento de escleroso múltipla é de alto custo e o valor de uma caixa do genérico chega a quase R$ 6 mil na farmácia, inviabilizando a compra para muitos pacientes.

O Jornal Midiamax procurou a SES (Secretaria Estadual de Saúde) desde a semana passada, mas, não houve retorno das solicitações encaminhadas por email. Já o Ministério da Saúde confirmou a falta do remédio e alegou problemas com o fabricante. Em outros estados, como São Paulo o problema também está afetando pessoas que fazem o tratamento.

Segundo o Ministério da Saúde, a distribuição do medicamento já foi iniciada e, até o fim da semana, a previsão é de que todos os estados tenham sido reabastecidos. (Nota na íntegra)

O Ministério da Saúde informa que já iniciou a distribuição do medicamento Fingolimode e até o final da semana, todos os estados estarão abastecidos. São enviados 86.492 cápsulas do medicamento para abastecer unidades de saúde no primeiro trimestre de 2019.

A compra foi emergencial e o atraso na aquisição se deu por problemas com o fabricante. Paralelo à essa aquisição emergencial, também está em andamento um novo pregão eletrônico para uma compra maior, o que garantirá o abastecimento para restante do ano.

A esclerose múltipla é uma disfunção crônica que afeta o sistema nervoso e se manifesta geralmente por surtos agudos que levam à paralisia de membros e à falta de coordenação motora, entre outros sintomas.

O tratamento é feito com o uso de medicação contínua e é possível evitar a progressão da enfermidade. A interrupção do tratamento por 15 dias já é suficiente para que o paciente tenha piora no quadro clínico e volte a enfrentar episódios da doença, com intensidade e duração imprevisíveis.

A aquisição e a distribuição dos medicamentos é centralizada no Ministério da Saúde devido ao preço elevado e à indisponibilidade dos itens no mercado convencional, de acordo com informações do MPF (Ministério Público Federal).

Por: Wendy Tonhati | Fonte: Midiamax