segunda-feira, 29 de outubro de 2018

Pacientes transplantados relatam falta de medicamento essencial no Rio

Remédio é usado para evitar a rejeição do órgão transplantado e estaria em falta há pelo menos duas semanas


Pacientes que passaram por transplante estão novamente sem receber, no Rio, um medicamento essencial, que é usado para evitar a rejeição do órgão.

O Tacrolimo é um remédio indispensável para quem passou por um transplante de órgãos e é de uso contínuo. Sem ele, o paciente corre risco de perder o órgão e ter de voltar para a fila de transplantes.

O remédio custa em torno de R$ 500, mas é oferecido pela rede pública. Porém, está em falta na Rio Farmes, a farmácia do governo do estado para remédios especiais.

Segundo os pacientes, o medicamento está em falta há pelo menos duas semanas.

“Eu preciso dele para viver e não ter rejeição”, disse uma paciente que, acometida por uma doença genética, foi submetida a um transplante há 16 anos.

“Nossos filhos tomam ele [tracolimo] duas vezes ao dia e não podem deixar de tomar”, cobrou a mãe de uma criança de 1 ano e 4 meses, transplantada há cinco meses.

“Este é o descaso, a falta de respeito, e nós transplantados estamos correndo risco de vida”, apelou outro paciente.

A Secretaria Estadual de Saúde disse que tem o remédio na concentração de 5mg, mas que está em falta o medicamento de 1mg. A pasta afirmou que há previsão de receber lote do medicamento ainda nesta quinta-feira (25).

Por: Diego Haidar | Fonte: G1