quinta-feira, 23 de agosto de 2018

Prefeitura divulga nova lista de medicamentos em falta


A Prefeitura de Valinhos na segunda-feira, 6 de agosto, divulgou a listagem dos medicamentos padronizados em falta nas Unidades Básicas de Saúde. Os itens com a sigla FURP são de fornecimento do Governo do Estado, segundo site oficial da PMV. Checamos então com a Secretaria de Estado da Saúde, a fim de obter alguns esclarecimentos acerca da falta destes medicamentos colocados como responsabilidade da FURP (Fundação para o Remédio Popular) do programa de assistência farmacêutica Dose Certa.

A lista de medicamentos em falta divulgada no site da municipalidade coloca estes como de fornecimento do Governo do Estado: Aminofilina 100 mg cp (FURP); Metidopa 250 mg (FURP); Metronidazol 250 mg cp (FURP); Nifedipina 20 mg (FURP); Nistatina creme vaginal (FURP); Biperideno 2 mg (FURP); Haloperidol I mg e Haloperidoldecanoato inj (FURP). A lista completa pode ser visualizada no site da Prefeitura (Administração> Saúde> Medicamentos em Falta).

Em contato com a Secretaria de Estado da Saúde, afirmou que dos oito medicamentos citados na lista como de fornecimento do Governo, apenas quatro fazem parte do Programa Dose Certa, que auxilia os municípios com menos de 250 mil habitantes com envio de medicamentos básicos. “Desses, o medicamento Metronidazol 250mg e Biperideno 2mg estão com sua entrega regularizada para o município de Valinhos e encontram-se disponível no estoque da FURP caso haja necessidade do envio de mais unidades”, afirma assessoria da Secretaria.

E completa dizendo “Quanto ao medicamento Metidopa 250 mg, o item encontra-se com falta de matéria-prima e neste momento a FURP realiza novas tentativas de compra do produto. A previsão é que o fornecimento seja normalizado até setembro. O Haloperidoldecanoato INJ em processo de aquisição e tão logo esteja disponível será enviado ao município”. Ainda assim, assessoria reforça que os municípios possuem total autonomia para comprar medicamentos básicos e garantir seu fornecimento à população em caso de falta ou atraso do fornecimento.

Por: Gabriel Previtale | Fonte: Jornal Terceira Visão