segunda-feira, 23 de julho de 2018

Medicamento gratuito para tratamento do HIV está em falta no Piauí



No Piauí, uma das medicações para pacientes soropositivos está em falta e mais duas com baixo estoque. A situação é preocupante pois os antirretrovirais impedem a multiplicação do vírus HIV e ajudam a evitar o enfraquecimento do sistema imunológico.

Não tomando, as pessoas podem ficar com a imunidade mais enfraquecida e criar um resistência no vírus, o que complica, pois a pessoa pode adoecer, ter uma doença oportunista", explica Raimundo Nonato Poty, representante Rede Nacional de Pessoas com HIV/Aids.

Há mais de 20 anos, o SUS disponibiliza de forma gratuita o medicamento para tratamento de pacientes soropositivos em todo o país. Os retrovirais são comprados pelo Ministério da Saúde e repassados para as prefeituras por meio de um fluxo de distribuição gerenciado.

Por meio de nota, o Ministério da Saúde informou que não há falta de medicamentos para Aids no Piauí e em nenhuma unidade da federação e que  desabastecimentos pontuais podem ocorrer, eventualmente, devido à complexidade do processo de compras e distribuição.

Por outro lado, a diretora geral do Instituto de Doenças Tropicais Natan Portella, Maria das Dores Rocha, confirmou a falta de um dos medicamentos e disse que ainda não há prazo para a regularização.

"O hospital é uma unidade dispensadora de medicação. Recebemos a medicação da assistência farmacêutica e estamos cumprindo nosso papel que é fazer o pedido mensalmente. Contudo, o Biovir está em falta há dois dias, mas o Efavirenz e Darunavir continua no hospital, mas em pouca quantidade, por isso a preocupação da gente pedir logo essa medicação. Entendemos a preocupação do paciente porque a gente pede que tomem a medicação na hora certa, então, nada mais errado que a gente não ter essa medicação, se a gente prega que ele tem que tomar todo dia", finaliza Maria das Dores que enfatiza que vai reforçar o contato com a assistência farmacêutica para que a situação seja normalizada.


Por: Graciane Sousa | Fonte: Cidade Verde