terça-feira, 8 de maio de 2018

Remédio para criança com leucemia chega a hospital em Florianópolis após quase 1 mês no aeroporto

Anvisa liberou lote no final da tarde desta segunda. Menina fará quimioterapia a partir de hoje, 8 de maio, terça-feira

Antonella mora em SC e precisa de remédio para tratar leucemia | Foto: Reprodução/NSC TV

O remédio para dar continuidade ao tratamento contra a leucemia da menina Antonella, de 3 anos, chegou na noite desta segunda-feira (7) ao Hospital Infantil Joana de Gusmão, em Florianópolis. O medicamento estava retido no Aeroporto Internacional Hercílio Luz, na capital, por falta de uma autorização, como mostrou o NSC Notícias.

Por quase um mês o remédio ficou parado no aeroporto. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou no final da tarde o lote com 55 unidades do Erwinase. Como ele é importado e não possui registro no Brasil, precisava de autorizações da Anvisa para poder entrar no país.

Segundo a Anvisa, o estado foi notificado no final de janeiro sobre a necessidade de enviar documentos para essa liberação. Mas o estado nega, diz que não foi avisado e que, quando soube dessa exigência, providenciou tudo o mais rápido possível.

Quimioterapia

Neste dia 8 de maio, Antonella faz a sexta sessão de quimioterapia e o medicamento é essencial para o sucesso do tratamento.

A menina foi diagnosticada há sete meses e logo começou o tratamento na capital catarinense. Mas na segunda sessão de quimioterapia, ela teve um choque anafilático por causa de um medicamento. Os pais arrecadaram R$ 42 mil para comprar outro remédio. Mas, na quinta sessão, ela voltou a sofrer reação.

A médica da Antonella, do Hospital Infantil, então recomendou um terceiro medicamento, o Erwinase, que é importado e custa mais de R$ 60 mil. A família entrou na Justiça, que intimou o estado a entregar o remédio.

Ocorre que o medicamento ainda não tem registro no Brasil, e como o pedido foi da Secretaria de Estado da Saúde, e não particular, a Anvisa exige uma documentação adicional, uma espécie de declaração de responsabilidade que justifique por que esse remédio específico é necessário, já que há outros no país.

Por: NSC TV | Fonte: G1