segunda-feira, 19 de março de 2018

Insulina e outros 45 medicamentos estão em falta na farmácia de alto custo do DF

Lista inclui, ainda, remédio para tratamento de HIV. Secretaria de Saúde diz que 21 medicamentos devem chegar em até 30 dias


Pelo menos 46 medicamentos estão em falta na farmácia de alto custo do Distrito Federal. O número, confirmado neste sábado (17) pela Secretaria de Saúde, inclui remédios de uso contínuo como a insulina, spray nasal e até pílulas usadas no tratamento de pessoas com HIV.

Pacientes que necessitam dos remédios disseram à TV Globo que, no entanto, a lista de produtos em falta é ainda maior. Ao todo, seriam mais de 60 produtos sem estoque. A costureira Maria do Socorro Regino é diabética e, por isso, precisa de um spray nasal específico para o tipo de doença.

Ela afirma que há quase um ano não consegue encontrar o medicamento na farmácia de alto custo. "Quando eu fico sem o remédio eu tenho tontura, enjoo, vômito, e a sede que dá não é normal. Quanto mais água eu tomo, com mais sede eu fico".

A costureira conta ter desmaiado no trabalho duas vezes por causa da falta do remédio. Para evitar a situação, Socorro passou a tirar o dinheiro do próprio bolso para comprar o produto. Ela gasta cerca de R$ 600, por mês, com três frascos do spray.

Em nota, a Secretaria de Saúde reconheceu a falta de 34% dos remédios que deveriam estar no estoque das farmácias de alto custo. A pasta informou, ainda, que a compra de 21 deles já "está em andamento" e devem chegar "em até trinta dias".

Lista extensa

Na farmácia de alto custo da Asa Sul, em Brasília, uma lista com os remédios em falta foi colada na parede. O papel confirma que, pelo menos, 55 medicamentos não estão no estoque. Em outras unidades do tipo, no DF, também está faltando remédio de uso contínuo.

Na região de Ceilândia, a lista cita 56 tipos de medicamentos em falta. Na do Gama, são 60 tipos sem estoque.

Christiano Ramos é presidente de uma organização não-governamental voltada a quem tem o vírus HIV. Ele afirma que um dos medicamentos mais importantes usados no tratamento da Aids – o comprimido em cápsula conhecido como "três em um" – está em falta na rede pública há três meses.

Sobre esses medicamentos, a secretaria disse que "apenas distribui" e que a compra é responsabilidade do Ministério da Saúde. O G1 tenta contato com a pasta federal.

Fonte: G1