terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Pais se acorrentam para protestar no principal hospital infantil da Venezuela

Local atende crianças que precisam de transplante renal ou que já foram submetidas à cirurgia e registra falta de medicamentos. Parentes pedem reunião com direção do hospital e atenção de ministro da Saúde

Parentes de pacientes transplantados se acorrentam do lado de fora do Hospital Pediátrico J.M de Los Ríos, em Caracas, para protestar contra a falta de medicamentos, na terça-feira (20) (Foto: Federico Parra/AFP)

Um grupo de pais de pacientes internados no Hospital J.M de Los Ríos, o principal centro de saúde pediátrico do país, protagonizou nesta terça-feira (20) um protesto pela falta de remédios e se acorrentou aos portões da instituição localizada no centro de Caracas.

A maior parte das pessoas protesta por crianças com insuficiência renal, que esperam um transplante ou que já foram transplantadas, mas agora temem as consequências da falta de tratamento que evita a rejeição do órgão.

"Não vamos sair daqui até termos respostas, até que os remédios apareçam, até que nos deem respostas", disse Carlos Falcón, pai de uma menina de 7 anos que fez um transplante de rim recentemente.

Ele afirmou que o protesto é para pedir uma reunião com a direção do hospital e para que o ministro de Saúde, Luis López, conheça a situação na qual as crianças vivem.

Há quatro anos, a Venezuela vive severa escassez de remédios e materiais hospitalares, agravada nos últimos meses. Atualmente, todos os hospitais públicos apresentam falhas no abastecimento de medicamentos, materiais e reativos para exames e são os pacientes e suas famílias que precisam providenciar os recursos, geralmente a preços altíssimos, quando conseguem.

Há cerca de um ano, a Agência Efe visitou este hospital pediátrico, um centro de referência nacional, e constatou cortes de luz, equipamentos parados e cirurgias suspensas.

Por: Agencia EFE | Fonte: G1